You are here:  / Destaque / Especial CP / Filmografia / VAN DAMME – VIDA E OBRA

VAN DAMME – VIDA E OBRA

Seu nome verdadeiro é Jean-Claude Camille François Van Varenberg e nasceu na Bélgica em 18 de outubro de 1960. Na época em que era bem jovem, seu pai resolveu colocá-lo em uma academia para que deixasse de ser tão franzino. Para a surpresa geral de todos, também freqüentou aulas de ballet e dançou durante alguns anos – nunca deixando de lado o karatê.

Entrou em diversos torneios de artes marciais dali em diante e venceu vários como o European Pro Karate Association, na categoria meio pesado, o Campeonato Europeu de Karatê e em 1979 teve a oportunidade de conhecer os Estados Unidos e lutar no Campeonato Mundial de Karatê, mas acabou perdendo.

No ano seguinte começou os treinamentos mais intensificados de musculação, o que acarretou no título de fisiculturismo ‘Mr. Bélgica’. Voltou para a Bélgica e montou sua própria academia, mas algo estava por vir e em 1982 foi convidado para participar do filme francês ‘Rue Barbare’, lançado no ano seguinte, como figurante.

No mesmo ano volta para os Estados Unidos e consegue outra figuração, desta vez numa produção mais importante e robusta, protagonizada pelo astro Chuck Norris e intitulada ‘Braddock’. Apesar de mais do que apenas ser coadjuvante de luxo, ainda interpretou um lutador gay em ‘Mônaco Forever’ (1984) e um dançarino em ‘Breakdance’ (1984). Mas foi fazendo o vilão de ‘Retroceder Nunca, Render-se Jamais’ (1986) que apareceu para o mundo.

Ganhou então a chance de protagonizar um filme símbolo dos anos 80, que foi ‘O Grande Dragão Branco’ (1988), no qual viveu Frank Dux e dividiu a tela com Bolo Yeung – a luta final é bem bacana. Tem uma trilha sonora ótima e ganhou diversos exemplares de menor impacto, alguns até protagonizados pelo próprio Van Damme.

Sabendo do sucesso do filme anterior, eis que os tradutores nacionais tiveram a ‘genial’ idéia de colocarem ‘Dragão’ no próximo trabalho do ator. ‘Cyborg – O Dragão do Futuro’ (1989) é um sci-fi muito ruim que fala sobre implantes cibernéticos e destruição da humanidade. Não valia a locação na época, imagine então nos dias atuais.

‘Kickboxer – O Desafio do Dragão’ (1989) traz, além de outro ‘Dragão’ no título, a mesma fórmula de luta em arena que Van Damme imortalizou. Foi um sucesso estrondoso na época do lançamento, provando que os golpes e o carisma do astro belga estavam nas nuvens. Além disso, ele também ajudou nos argumentos do roteiro.

No ano seguinte, protagonizou o interessante ‘Leão Branco – O Lutador sem Lei’ (também ajudou no roteiro) e o tosco ‘Garantia de Morte’, que são duas produções que retratam muito bem o quanto a carreira do ator oscilava com grandiosas bilheterias e outras nem tanto assim.

Dali em diante, conseguiria o status de um dos mais bem pagos de Hollywood, principalmente por causa de ‘Duplo Impacto’ (1991), onde interpreta os irmãos gêmeos Alex e Chad – produz pela primeira vez e escreve argumento e roteiro. Estrela em 1992 a ficção científica dirigida pelo novato Roland Emmerich e co-estrelado por Dolph Lundgren, ‘Soldado Universal’ – roteiro meia boca, mas ação de primeira para a época e que, de certa forma sobrevive bem nos dias atuais – e ‘Timecop – O Guardião do Tempo’ (1994), que foi tirado de uma HQ e arrecadou mais de 100 milhões de dólares, se firmando como o maior sucesso comercial de sua carreira.

Neste meio tempo ganhou uma ponta como ele mesmo em ‘O Último Grande Herói’ (1993), fez ‘O Alvo’ (1993), dirigido por John Woo, também no melhor momento da carreira e ‘Vencer ou Morrer’ (1993).

Mas houve um tropeço maior que todos os anteriores e seu nome era ‘Street Fighter – A Última Batalha’. No elenco, escolhas incompreensíveis como Raul Julia e Kylie Minogue e um roteiro que quase se transforma numa comédia de mau gosto, além de colocarem Ken e Ryu como coadjuvantes. Os fãs detestaram e o fracasso foi questão de tempo.

‘Morte Súbita’ é um dos projetos menos piores desta leva que virá a seguir e foi repetido a exaustão nas sessões noturnas do SBT, por exemplo. Já ‘Desafio Mortal’ (1996) coloca pela primeira vez o astro como diretor, mas é tudo horroroso, a começar pela cena do belga travestido de palhaço logo no início. Roger Moore completa o pacote de desastres.

A bela Natasha Henstridge é a companhia de Van Damme em ‘Risco Máximo’ (1996), que tentava pegar o sucesso de ‘O Especialista’, mas a curva já estava um tanto descendente para o astro e não fez tanto sucesso quanto esperavam. Outra tosqueira de quinta categoria foi ‘A Colônia’ (1997), com o ex-jogador de basquete Dennis Rodman e um esquecido Mickey Rourke. Há uma cena em que Van Damme se veste de hyppie, com direito a peruca e óculos escuros.

De 1998 a 2002, além de se envolver com drogas pesadas e quase destruir sua vida, só entrou em ‘furadas’ quando o assunto era sua carreira cinematográfica – além de ter dançado com a Gretchen no Programa Domingo Legal, em um dos mais constrangedores momentos da televisão brasileira – ‘Golpe Fulminante’ e ‘Legionário’, ambos de 1998, ‘Inferno’ (1999) que é o fundo do poço completo, o desnecessário ‘Soldado Universal – O Retorno’ (1999), ‘A Irmandade’ e ‘O Replicante de 2001 e ‘Agente Biológico’ (2002).

Na época do lançamento de ‘Hell’ (2003), lembro-me que houve um marketing mais forte, dizendo que era o filme mais violento da carreira do belga. No fim, serviu somente para empoeirar as prateleiras das vídeo-locadoras.

Muda totalmente os ares no ano seguinte e participa de uma pontinha na comédia francesa ‘Problema de um Dorminhoco’, mas volta aos pastiches costumeiros com o pouquíssimo visto ‘Vingança’, no qual o protagonista busca alguns cruéis assassinos que devem ter matado seus amados entes pela enésima vez em sua filmografia.

‘Segundo em Comando’ (2006) e ‘Até a Morte’ (2007), são uma dobradinha do agora ex-astro com o diretor Simon Fellows e no meio destes projetos, também fez ‘Força de Proteção’, todos saindo diretamente para home-vídeo, nicho que acabou se tornando o principal alvo da maioria dos atores brucutus dos anos 80.

Em 2008 faz seu filme mais sincero e emocional, intitulado ‘JCVD’. Existem determinados momentos que chega a ser um monólogo em que o ator expulsa todos os demônios, sem ter vergonha de esconder qualquer ponto falho – ok, ele não cita sua participação no Programa do Gugu, mas a gente perdoa!

O que nós não podemos perdoar é ter como próximos projetos ‘Operação Fronteira’ (2008) e ‘Soldado Universal 3 – Regeneração’ (2009). Volta para a cadeira de direção no totalmente desconhecido ‘The Eagle Path’ (2010) – que também roteiriza – e luta contra o poderoso Scott Adkins no simpático ‘Jogos Letais’ (2011).

Tem a chance de dublar uma animação pela primeira vez em ‘Kung Fu Panda 2’, vivendo o Mestre Crocodilo. Mas como sua sina é dar porrada em todo mundo, presenteia seus fãs com ‘Olhos de Dragão’, ‘6 Balas’ e ‘Soldado Universal 4 – Juízo Final’, todos de 2012. Seu retorno aos cinemas viria da melhor maneira possível com ‘Os Mercenários 2’, que finalmente trouxe a luta tão esperada nos anos 80/90: Stallone contra Van Damme. O filme é delicioso e divertido, principalmente para quem cresceu com os brucutus. Em 2014 faz uma comédia bizarra ao lado de Adam Brody, intitulada ‘Welcome to the Jungle’. Não funciona bem, mas para quem é fã vale pela curiosidade.

E agora, qual será seu novo projeto? Você admira o ator? E o que falta para ele voltar com tudo aos holofotes?

Comente via Facebook

Comentários

1 COMMENT

  • Blogueiros Do Brasil ( @BlogsBrasil )

    Orgulhosamente PUBLIQUEI uma ‘chamada’ para este ótimo artigo no NOVO SITE agregador de LINKS dos Blogueiros do Brasil (( http://omelhordos.blogueirosdobrasil.com/ )).

    Abraços cordiais.

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked ( required )

Críticas

Séries

Games

Canal Cinema e Pipoca