You are here:  / Especial CP / Stephen King no cinema, um resumão de todas as adaptações

Stephen King no cinema, um resumão de todas as adaptações

Só se você viveu em Marte nas últimas décadas para não conhecer o dono de clássicos como O Iluminado, Carrie – A Estranha, A Torre Negra e tantos outros livros. Suas obras já venderam mais de 350 milhões de exemplares em 40 idiomas diferentes e hoje vamos contar um pouco sobre as obras de Stephen King no cinema.

Carrie, A Estranha não foi o primeiro livro escrito pelo autor, mas o primeiro a ser vendido para uma produtora de cinema. Sissy Spacey interpretou a protagonista na primeira versão, de 1976, dirigida por Brian de Palma e Chloe Moretz foi contratada para a segunda – e piorada – versão, lançada nos cinemas em 2013 – A Maldição de Carrie também foi baseado neste universo.

Em 1980 O Iluminado chegou aos cinemas com a direção de Stanley Kubrick e estrelado por Jack Nicholson. Na época dividiu a opinião de público e crítica, mas hoje, muitos o consideram o melhor filme de todos os tempos. Já Creepshow – Arrepio do Medo mostra 5 curtas baseados em contos de King (dois deles escritos especialmente para o projeto) e ainda contou com outras duas continuações (Creepshow III – Forças do Mal segue o mesmo modelo, mas não utiliza nenhuma história escrita por King).

Cão Raivoso, Na Hora da Zona Morta e Christine – O Carro Assassino estrearam em 1983 e este último foi reprisado a exaustão no Cinema em Casa, sendo dirigido pelo mestre John Carpeter e falando sobre a paixão de um adolescente por seu carro. Tem boas sacadas ainda hoje, mas envelheceu um pouco mal.

No ano seguinte outro projeto que seria sucesso absoluto de público e crítica: Colheita Maldita dirigido por Fritz Kiersch, teve um orçamento de apenas 800 mil dólares e arrecadou mais de 14 milhões, abrindo as portas para outros oito filmes que completariam a franquia – o último em 2011.

Stephen King no cinema

A Incendiária de 1984, Olhos de Gato, A Hora do Lobisomem, ambos de 1985 e Comboio do Terror, filme horroroso dirigido pelo próprio Stephen King, não obtiveram o sucesso esperado e hoje em dia são quase totalmente esquecidos.

E aí veio Conta Comigo, dirigido por Rob Reiner e baseado no conto The Body, do livro As Quatro Estações e que não tem nada de sobrenatural – é quase um resumo da vida de King em sua pequena cidade, com várias licenças poéticas. Estrelado por River Phoenix e Corey Feldman, é uma obra prima que foi reprisada diversas vezes na Sessão da Tarde.

O Sobrevivente é lembrado hoje em dia apenas por conta de Schwarzenegger, já Cemitério Maldito de 1989, conseguiu uma legião de fãs pelo mundo. A esperteza do roteiro está não só nos momentos de tensão, mas em trabalhar a questão da perda de um ente querido. Este é outro projeto transformado em franquia, pois em 1992 saiu Cemitério Maldito 2. Já em 2019 recontaram a história do tal cemitério num remake que já faturou mais de 100 milhões de dólares pelo mundo afora!

Em 1990 foram outros três projetos: Contos da Escuridão, A Criatura do Cemitério e Louca Obsessão, este último dirigido por Rob Reiner e estrelado por Kathy Bates que faturou o Oscar de Melhor Atriz. É uma adaptação excelente e a fotografia ajuda a criar uma ambientação um tanto sinistra.

Outro projeto exibido diversas vezes na TV aberta nacional foi Sonâmbulos, que é um suspense esquecível com uma maquiagem bem fraquinha e um final dos mais ridículos possíveis. Até George Romero adaptou uma história de King em A Metade Negra de 1993. E antes de conseguir uma das melhores adaptações para o cinema de um livro seu, King viu Trocas Macabras ser lançado.

Saindo novamente do gênero terror ou suspense, Um Sonho de Liberdade (tirado de um dos contos do livro Quatro Estações, o mesmo de Conta Comigo), estrelado por Morgan Freeman e Tim Robbins foi um tremendo sucesso de público e crítica, que foi indicado a 7 Oscares.

Stephen King no cinema

De 1995 a 1997, todos os projetos tirados de seus livros se transformaram em filmes menores e de pouca repercussão, como foi o caso de Eclipse Total ou Vôo Noturno. Mas em 1998 foi lançado O Aprendiz com Bryan Singer dirigindo e Ian McKellen e o falecido Brad Renfro estrelando. Contendo muito suspense e uma química perfeita entre seus protagonistas, tornou-se cult e ainda hoje é lembrado por vários fãs do gênero.

À Espera de um Milagre nos mostrava a história de um gigantesco homem que havia sido preso injustamente e tocou o coração de milhões de espectadores – foi a melhor atuação da carreira de Michael C. Duncan – e trouxe para o estúdio mais de 200 milhões nas bilheterias, sem contar algumas indicações para o Oscar.

Na sequência vieram Lembranças de um Verão com Anthony Hopkins, O Apanhador de Sonhos, que foi um sucesso nas páginas e um fiasco no cinema, além de Janela Secreta com Johnny Depp e Montado na Bala.

Após isso houveram projetos interessantes e bem diferenciados, como o suspense 1408 com John Cusack e Samuel L. Jackson, sobre um apartamento amaldiçoado, o potente O Nevoeiro e seu final arrebatador e No Smoking, tirado de um conto do livro Sombras da Noite.

Acha que acabou? Que nada. O seriado O Nevoeiro (que durou apenas uma temporada), Cell (que quase ninguém viu), o péssimo Torre Negra, que era para ser o início de uma franquia, o excelente It – A Coisa (arrecadou mais de 700 milhões pelo mundo afora) e o razoável Jogo Perigoso completam esta história… ao menos por enquanto.

E o que vem por aí de Stephen King no cinema e nas séries?

  • Castle Rock – 2ª Temporada (25 de julho de 2019) produzido pela Hulu;
  • It: A Coisa 2 (setembro/19) mostrará as aventuras do Clube dos Perdedores após 27 anos da primeira batalha contra Pennywise;
  • Doutor Sono (janeiro/20) é a continuação direta de O Iluminado;
  • A Longa Marcha (sem data de estreia);
  • Os Estranhos (sem data de estreia), será produzido por James Wan;
  • Que Sofram as Criancinhas (sem data de estreia);
  • In the Tall Grass (sem data de estreia) projeto produzido pela Netflix e dirigido por Vincenzo Natali (Splice);
  • Outsider (sem data de estreia);
  • Torre Negra (sem data de estreia) mesmo com o fracasso do longa, a Amazon deu sinal verde para o seriado;

E aí, vocês curtem as adaptações dos livros de Stephen King no cinema? Qual a melhor na sua opinião?

Comente via Facebook

Comentários

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked ( required )

Críticas

Séries

Games

Canal Cinema e Pipoca