You are here:  / Destaque / Põe na Mesa / Põe na Mesa | Robinson Crusoé

Põe na Mesa | Robinson Crusoé

Temática: Náufrago
Mecânica: Posicionamento de trabalhadores, jogadores com diferentes habilidades, previsão de danos e narração de histórias
Modalidade: Cooperativo
Jogadores: 1 a 4
Ano: 2012
Idade: +8
Tempo de jogo: 120 minutos
Dependência de idioma: alta
Arte: 4/5
Sorte: 3/5
Complexidade: 4/5
Rejogabilidade: 5/5

Seu barco naufragou, mas você e seus companheiros conseguiram se salvar ao nadar até uma ilha selvagem e cheia de mistérios. É com essa premissa que o jogo Robinson Crusoé acontece. Desenvolvido por Ignacy Trzewiczek e com artes de Mateusz Bielski e Mateusz Lenart, o jogo é baseado no famoso livro homônimo de Daniel Defoe.

A mecânica base do jogo é a de posicionamento de trabalhadores. Com isso você poderá decidir se irá construir melhorias para seu acampamento ou ferramentas, buscar alimentos, explorar o cenário, caçar animais selvagens, descansar ou resolver alguns problemas que aparecem durante o jogo (e – acredite! – serão muitos).

Contando com vários cenários e uma variedade imensa de cartas que contarão a história dos seus sobreviventes, a rejogabilidade é altíssima para um board game com essa mecânica.

Os personagens – sempre uma versão masculina e outra feminina de cada – possuem diferentes habilidades: um cozinheiro, um carpinteiro, um soldado e um explorador. A combinação dessas habilidades, uma pitada de sorte nas cartas e muita estratégia definirão o sucesso do grupo nessa empreitada pela sobrevivência.

Robinson Crusoé

Tabuleiro e peças de Robinson Crusoé

Cada turno é definido por seis fases:
1 – Fase de eventos: a cada início de turno é lida uma carta de eventos, que ditará o ritmo do jogo e as necessidades mais urgentes do grupo de sobreviventes. Não espere coisas boas dessas cartas
2 – Fase de moral: de acordo com seus sucessos e fracassos, a Moral do grupo varia positiva ou negativamente. Nessa fase, o jogador inicial irá pegar tokens de moral caso o grupo esteja bem, ou descartar tokens quando todos estão se ferrando. Esses tokens são utilizados também para realizar ações especiais de cada personagem.
3 – Fase de produção: os jogadores recebem os recursos presentes no tile onde o acampamento está.
4 – Fase de ação: é o momento onde as ações dos personagens acontecem. Cada jogadores recebe dois marcadores, com cores correspondentes ao seu personagem. Quanto mais tempo cada integrante se dedicar a uma tarefa, menos exposto a aleatoriedade ele estará. Isso significa que se houver dois marcadores realizando uma mesma ação, ela será sucesso instantâneo. Se houver apenas um, aí é jogar os dados e torcer para a sorte estar a seu favor.
5 – Fase clima: caso a rodada mostre que o tempo está chuvoso ou frio, os dados também mostrarão as consequências dessas adversidades na vida dos personagens. Sim, é um momento que ferra todos os amiguinhos.
6 – Fase noite: depois de tanto trabalho, chegou a hora de se alimentar. Será que há comida para todos?

Não é possível vencer sozinho em Robinson Crusoé. É necessário muita conversa e estratégia conjunta. O único ponto negativo dessa jogo incrível é o manual de regras, que não segue uma lógica boa e dificulta para um aprendizado mais rápido. É bem provável que nas suas duas ou três primeiras jogatinas algumas regras utilizadas por você sejam erradas. Mas com o tempo, vai se pegando o jeito e aproveitando as crueldades e os desafios dessa ilha tão maquiavélica.

Confira outros board games comentados clicando aqui!

Parceiro do Cinema e Pipoca

Comente via Facebook

Comentários

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked ( required )

Críticas

Séries

Games

Board Games