You are here:  / Críticas / NO MEU LUGAR

NO MEU LUGAR

www.adorocinemabrasileiro.com.brOs estrangeiros que vêem filmes nacionais podem pensar que o Brasil é uma terra sem lei, amaldiçoada por favelas comandadas pelo tráfico, menores delinqüentes e pobreza para todo lado.
De certa forma não estão errados, mas esta visão superficial que nossa filmografia dá, cria um incomodo desnecessário e latente.

Se diretores como FERNANDO MEIRELLES e JOSÉ PADILHA seguram-se fortemente numa visão ultra moderna e sem os cacoetes ‘obrigatórios’, outros como BRUNO BARRETO e EDUARDO VALENTE de NO MEU LUGAR pecam em expor seus protagonistas apenas como ‘gente sem futuro’.
Se há um roteiro até certo ponto relevante, é por causa de VALENTE que as coisas deixam a desejar. E os atores, parecem sempre incomodados e intimidados diante à câmera.

No Rio de Janeiro, um policial é obrigado a intervir num assalto à uma casa de classe média alta. Suspenso da corporação, ele acaba seguindo sua vida – mesmo com problemas dentro de casa.
Esta ação acarretará numa intrincada trama, afetando a Os estrangeiros que vêem filmes nacionais podem pensar que o Brasil é uma terra sem lei, amaldiçoada por favelas comandadas pelo tráfico, por menores delinqüentes e pobreza para todo lado. De certa forma não estão errados, mas esta visão superficial que nossa filmografia dá, cria um incômodo desnecessário e latente.

Se diretores como Fernando Meirelles e José Padilha se seguram fortemente numa visão ultra-moderna e sem os cacoetes obrigatórios, outros como Eduardo Valente de ‘No Meu Lugar’ pecam em expôr seus protagonistas apenas como ‘gente sem futuro’. Se há um roteiro, até certo ponto relevante, é por causa de Valente que as coisas não engrenam e os atores parecem sempre incomodados e intimidados diante da câmera.

No Rio de Janeiro, um policial é obrigado a intervir num assalto em uma casa de classe média alta. Suspenso da corporação, ele acaba seguindo sua vida. Esta ação acarretará numa intrincada trama, que afetará a vida dos envolvidos profundamente.

O bacana é ver a divisão em três narrativas, que apesar de pequenos deslizes, consegue ir bem até o desfecho. Filmado com elenco inteiramente desconhecido e apresentado no II Festival Cinema de Paulínia, ‘No Meu Legar’ tenta se submeter como uma crítica social, mas esbarra nas ações manjadas, tenta expor a colisão entre as classes sociais no Brasil, mas fica devendo e perde completamente o foco num final que, apesar de nunca ser previsível, é demasiadamente antigo – visto películas como ’21 Gramas’ de Alejandro Iñarritu.

NOTA: 4,0
ORÇAMENTO: —


PERGUNTA PARA O INTERNAUTA:
1) O que vocês acham, ainda vale ir ao cinema para ver estes sub-gêneros nacionais de ‘favelas, traficante e policiais’ ?

Comente via Facebook

Comentários

13 COMMENTS

  • HUm… será que vou gostar deste??? Uma apaixonada por romance…. rs…

    Bjos!

  • Eu acho que o cinema nacional deveria ser mais apioado pois qdo grandes nomes se juntam sempre saí coisa boa.
    O filme " No meu lugar" será que vai entrar em circuíto nacional de cinemas?

  • É DIFICIL UM FILME NACIONAL EMPLACAR COMO VEMOS TEMOS POUCO EXEMPLOS: CENTRAL DO BRASIL, CARANDIRU, TROPA DE ELITE…E MAIS ALGUNS …DIFERENTE SÃO OS FILMES ESTRANGEIROS…OS FILMES QUE GERALMENTE IMPLACAM , SÃO DE CUNHO APADRINHADO, CONTENDO ATORES DE PONTA!

  • Querido amigo avassalador…
    Não sei se é pecado ou não mas o fato é que essas pessoas revisitadas por Barreto tem nenhuma ou quase nenhuma chance de mudança…Ele apenas seguiu a regra. Meirelles tem uma visão apurada e as vezes chega ao caricato para dar leveza a temas pesadissimos… fez isso em cidade de Deus e em alguns momentos da "Ensaio.."
    Não gosto desse tipo de filme, já vivo em uma cidade violenta e ainda vou pagar ingresso pra ver mais violencia… não assisto.
    Gostei da proposta geral do blog.
    Não vou dar nota para os filmes ok…

  • muito bom o filme
    desculpa eu to colocado!

  • Só vale a pesna se for algo inteiramente novo!

    Como Tropa de Elite conseguiu fazer!

    Há muitas maneiras de explorar a nossa desigualdade, basta ter criatividade, um exemplo é Ó paí ó.
    Tanto o filme como a Série de TV. São excelentes e garantem boas risadas.

    Abraço!

  • Não aguentio mais ver filme brasileiro que explora favela-polícia. O que é o mais engraçado é que, quanto mais filmes desse tipo aparecem "para conscientizar", menos consciência eu vejo: acaba o filme e a rotina volta.
    O filme nacional que mais gosto (assista, é bom), fala de um tema super pertinente: brasileiros ilegais nos USA. Tem a Débora Falabella e chama-se "Dois perdidos numa noite suja".

    abç
    Pobre esponja

  • Duvido que um filme nacional com esse porte, vingue no Brasil.
    Mas é ver pra crer
    abraços

  • OPa boa tarde lhe indiquei para o Selo Vale a Pena Ficar de Olho Nesse Blog passe no Moviemento e veja, parabens pelo blog!!!

  • Versos Controversos - Alan Salgueiro

    Sub-gênero é um tanto depreciativo… Gosto desses filmes que mostram a realidade!
    Brasileiro prestigia demais as produções americanas, depois reclama que da carência de cultura no país…

  • Verdade absoluta o que vc disse a repeito dos estereótipos que perseguem o Brasil, principalmente no cinema. E também adorei 21 Gramas, podemos esquecer até o Babel, que pra mim foi horrível com a desgastada fórmula que deu tanto certo com o 21 Gramas.

    Abraços!

    http://tempo-horario.blogspot.com/

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked ( required )

Críticas

Pipocast

Séries

Entrevistas