You are here:  / Críticas / MAGNÓLIA

MAGNÓLIA

moviesandactors.zip.net

Interessante como existem filmes que mesmo após alguns anos só se renovam. É o caso de ‘Magnólia’, que já começa nos mostrando que a vida não é feita de coincidência e que cada ato é criado devido as escolhas de cada um (pois antes de trair, se suicidar e etc., você sempre terá a opção de não fazê-lo). Ao escolher um roteiro fora dos padrões, Paul Thomas Anderson (‘Sangue Negro’) fez um amálgama de pecados e perdões tão crível e potente, que coloca sua obra como uma das mais contundentes da sétima arte.

Algumas pessoas passam pela Terra e se acostumam a viverem inertes, sem se preocuparem com problemas alheios aos seus, já outras, mesmo em seu leito de morte, se livram dos piores pecados. Daí o fato de que coincidências são apenas desculpas toscas da sociedade. E provavelmente, por tratar de temas incômodos, ‘Magnólia’ foi, por vezes, ignorado e tido como um filme ‘confuso’.

Mas ao contrário. É magnífico e perfeito no seu estudo tanto social como cinematográfico, pois há um cuidado exemplar com a fotografia (a câmera passeia pelos locais mais inusitados), o uso da trilha sonora quase ininterrupta e no ápice, com aquela chuva de sapos, tão metafórica que exalta uma nova vida, um novo recomeço e vai além das citações bíblicas que podem ser remetidas num primeiro instante.

Acompanhamos aqui um dia na vida de nove pessoas desconhecidas entre si, mas interligadas por fatos ocorridos nessas 24 horas. Earl Partridge (Jason Robard, de ‘Todos os Homens do Presidente’) é um produtor de TV que está com câncer terminal. É casado com Linda (Juliane Moore), uma mulher que aceitou tal compromisso apenas pelo interesse financeiro, mas ao vê-lo em estado vegetativo descobre amá-lo incondicionalmente. Phil Parma (Philip Seymour Hoffman, sempre magnífico) é seu enfermeiro, que luta para colocá-lo ao lado do filho Frank Mackey (Tom Cruise no melhor papel da carreira), antes da morte iminente. Jimmy Gator (Philip Baker Hall de ‘Zodíaco’) é o apresentador do programa produzido por Earl e também tem câncer e luta para se entender com a filha viciada em drogas e bebidas chamada Cláudia (Melora Walters de ‘Os Vigaristas’). A garota conhece o policial Jim Kurring (John C. Reilly de ‘Chicago’HICAGO) e vê uma chance para reestruturar sua vida. Os outros dois personagens são o garoto Stanley Spector (Jeremy Blackman), que pode receber uma bolada em dinheiro no programa de Gator e Donnie Smith (William H. Macy de ‘Fargo’) antigo ‘garoto prodígio’ do mesmo programa, que hoje é um velho amargurado tentando conquistar um jovem barman.

‘Magnólia’ é o típico filme para se ver ao menos uma vez no ano, para nos fazer entender como nossas escolhas poderão influenciar outras pessoas. Salve o cinema, salve P.T. Anderson, salve os produtores que acreditaram no potencial do projeto e salve as ‘não coincidências’ da vida.

Título Original: Magnolia
Ano Lançamento: 1999 (EUA)
Dir: Paul Thomas Anderson
Elenco: Julianne Moore, William H. Macy, John C. Reilly, Tom Cruise, Philip Baker Hall, Philip Seymour Hoffman, Jason Robards, Alfred Molina

ORÇAMENTO: 37 Milhões de Dólares

Comente via Facebook

Comentários

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked ( required )

Críticas

Pipocast

Séries

Entrevistas