You are here:  / Críticas / Destaque / Trailers / Godzilla II: O Rei dos Monstros é muito ruim!

Godzilla II: O Rei dos Monstros é muito ruim!

Não… eu não gosto de Godzilla (2014), mas ao menos ele conta com uma excelente fotografia e efeitos especiais honestos. Quando os primeiros trailers de Godzilla II: O Rei dos Monstros saíram e me apresentaram diversos seres clássicos como Ghidorah, Mothra e Rodan minhas expectativas aumentaram e fiquei interessado para ver o embate dos titãs em mais um filme catástrofe de Hollywood.

Mas são 130 minutos de pura tortura onde praticamente nada se salva, com exceção de Millie Bobby Brown que tem peso dramático e tenta entregar algo diferente. Fora isso, o excelente elenco conta com Vera Farmiga, Ken Watanabe, Kyle Chandler, Ziyi Zhang, Sally Hawkins e Charles Dance e você torce para todos, sem exceção, morrerem pisoteados o quanto antes, tamanha precariedade e ineficiência daquela família, dos cientistas e dos pseudo-vilões. 

Esta era a grande chance do diretor Michael Dougherty (roteirista do fraco X-Men: Apocalypse) mostrar seu potencial, mas como levar a sério alguém que não tem firmeza na hora de dirigir atores, insere piadas nos momentos mais equivocados e ainda tem a cara de pau de achar que tais viradas no roteiro poderiam surpreender os espectadores.

Mas e as batalhas? E Godzilla? E os outros titãs?

Godzilla II: O Rei dos Monstros

Pôster do filme

Bem… eu realmente gostaria de entender onde estão os 200 milhões de orçamento, até porque se alguém reclamava que não entendia as batalhas em Transformers, tente assistir a Godzilla II: O Rei dos Monstros. Sempre que os bichões aparecem surge também muita fumaça e tudo fica escuro, como se estivéssemos diante de um filme de baixo orçamento e fosse preciso esconder os monstros para camuflar a precariedade do produto.

Um dos blockbusters mais decepcionantes do ano e um universo compartilhado que já poderia chegar ao fim.

Obs.: para quem ainda tiver paciência, contém uma cena pós-créditos!

Sinopse de Godzilla II: O Rei dos Monstros

A agência Monarch tenta, de todas as formas, esconder os diversos titãs que encontraram logo depois da aparição de Godzilla. E agora, com o ressurgimento de Mothra, Rodan e Ghidorah, precisarão da ajuda do lagartão (que não é visto já fazem vários anos), para que a humanidade continue existindo.

Título Original: Godzilla: King of the Monsters
Ano Lançamento: 2019 (Estados Unidos)
Dir: Michael Dougherty
Elenco: Kyle Chandler, Vera Farmiga, Millie Bobby Brown, Sally Hawkins, Charles Dance, Thomas Middleditch, Ken Watanabe, Zhang Ziyi

ORÇAMENTO: 200 Milhões de Dólares
NOTA: 2,0

Confira também um dos nossos vídeos do Canal Cinema e Pipoca

Comente via Facebook

Comentários

3 COMMENTS

  • alguém que perdeu dinheiro com este filme

    Filmeco ruim mesmo. Não teve lógica alguma a libertação dos titãs, sequer teve explicação racional, ao arrepio do pífio argumento “agora vejo que eles são os donos da paçoca”. Além do mais, a subtrama dos personagens é inexpressiva e a motivação dos mesmo chega a ser embaraçosa.

  • Haha piada essa crítica..o filme tem alguns erros, que são facilmente desconsiderados quando o objetivo de se ver o quebra pau dos titans é atingido…o mais engraçado é q o que parece artificial e forçado no filme é justamente o peso dramático citado nessa crítica..e o q salva são Ghidora, Mothra e Gojira…o filme parece confuso e falta coesão..mas diverte e faz vc ficar ligado nele o tempo todo…filmaço..deixa Vingadores no chinelo..ou vai dizer q os Vingadores tem um enredo coerente? Kkkk
    Nota 8,0

    • A coerência do filme dos Vingadores dentro do universo que eles criaram é muito mais palpável para mim do que Godzilla II. Respeito imensamente sua opinião (e é bom que tenha curtido o filme… também fui ao cinema para isso rsrrs), mas este universo compartilhado é uma tremenda furada… agora bora esperar pra ver o embate entre o lagartão e King Kong.

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked ( required )

Críticas

Séries

Games

Canal Cinema e Pipoca