You are here:  / Críticas / Destaque / ATÉ QUE A SORTE NOS SEPARE

ATÉ QUE A SORTE NOS SEPARE

O grande problema da maioria dos humoristas nacionais é achar que cinema e televisão têm a mesma linguagem, quando isso é uma completa bobagem, pois cada meio criou elementos próprios para dialogar com seu público, como angulações, enquadramentos e etc.

LEANDRO HASSUM, que protagoniza o seriado ‘Os Caras de Pau’ na Rede Globo estendeu seu programa e o transformou no filme ATÉ QUE A SORTE NOS SEPARE, já que absolutamente todos os maneirismos – muitas vezes irritantes – estão lá. Há situações cômicas mas que funcionam melhor com os coadjuvantes, sem contar que o roteiro parece sempre preso – por algum produtor mais influente talvez? -, o que dificulta na hora da direção de ROBERTO SANTUCCI (do excelente ALUCINADOS).

Quem nunca sonhou em ganhar na loteria? Quem nunca se pegou planejando o que faria com tanto dinheiro? E será que mudaríamos nossa personalidade por causa disso?
Ao expor a falta de planejamento de uma família e o excesso de zelo em outra, fica obvio que estão ‘atirando para todos os lados’ para agradar públicos das mais variadas classes.

Quando jovens, o casal Tino e Jane ganham uma bolada na loteria e acabam mudando de vida radicalmente. Mas com o tempo, eles vão à falência, mas para não correr o risco de deixar sua esposa, que está grávida do terceiro filho, nervosa ou alterada, Tino resolve guardar a situação toda para si.

ATÉ QUE A SORTE NOS SEPARE é muito melhor do que MUITA CALMA NESSA HORA ou CILADA.COM, mas o humor nacional ainda precisa se livrar do carma dos ‘atores globais que infestam o gênero’, para aí sim, nos fazer perceber que podemos sair deste tipo de marasmo. Divertido, mas um tanto ordinário!

Título Original: Até que a Sorte nos Separe
Ano Lançamento: 2012 (Brasil)
Dir: Roberto Santucci
Elenco: Leandro Hassum, Danielle Winits, Ailton Graça, Kiko Mascarenhas, Rita Elmor, Carlos Bonow 

ORÇAMENTO: —

Comente via Facebook

Comentários

3 COMMENTS

  • Quando ouço falar em filme NACIONAL de humor, duas coisa me vem a cabeça: mediocrice e atores globais. Quando não sufocado pelo segundo, fica marcado pelo primeiro, isso quando não são os dois. O Brasil não tem cinema de humor, o Brasil não sabe produzir filmes de humor, o Brasil não é engraçado, nunca foi. O cinema nacional de humor é uma metastase transbordante de mediocrices televisivas exportadas para a telona, com piadas sem graça, atores péssimos e atuação vergonhosa, exageros insultantes e nenhum enredo sério (nada mais sério que fazer humor) para se apresentar. Salvo rarissimas excessões (que mesmo eu sou obrigado a concordar que existem), o Brasil nunca produziu nada que possa ser chamado de 7a. arte. Cinema brasileiro é um insulto e como tal deve ser ignorado.

  • Cinema brasileiro é uma comédia mesmo, tão besta e atrasado feito as novelas da “Grobo”, sai pra lá duma merda dessas!!!

  • aline von Krueger falou tudo que eu queria dizer, infelizmente o cinema recebe estas “comédias” sem o mínimo de humor decente, e o povão sertanejo lota as salas, porque se for complicar um pouquinho eles não entendem, nada alem de eu quero tchum e dos filhos de francisco e do lula o filho da que da… quer dizer do brasil(que piada, estes sim de comédias de humor non sense). que triste.

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked ( required )

Críticas

Pipocast

Séries

Entrevistas