You are here:  / Clássicos do Cinema / Críticas / Assim Caminha a Humanidade

Assim Caminha a Humanidade

‘Giant’ um nome nada mais que apropriado e original para uma grande produção do cinema que reúne num só elenco, gigantes da sétima arte como: Rock Hudson, Elizabeth Taylor e James Dean. Astros que arrastavam multidões para salas de projeções nos Estados Unidos e pelo mundo a fora. ‘Giant’ ou como preferir o título em português: Assim Caminha a Humanidade, ano 1956, produzido e dirigido por George Stevens, baseado no romance de Edna Ferber, é um épico que traz a trajetória de uma família em formação, em pleno Texas, quando o estado ainda era um lugar quase inóspito e selvagem.

O filme nos mostra uma belíssima fotografia do deserto texano; são as lindas paisagens áridas que dão uma grandiosidade à parte – recebeu nove indicações ao Oscar e só ganhou de melhor diretor, é uma pena que não ganhou uma indicação de fotografia, se tivesse, com certeza levaria a estatueta. Outro ponto é que marca a derradeira atuação de James Dean no cinema – logo após as filmagens, o astro rebelde e ícone de uma geração, morre num acidente automobilístico.

As atuação dos três personagens centrais são memoráveis; Elizabeth Taylor mostra-se firme e madura num papel que a fez esquecer a própria beleza, provando que é uma grande atriz. Rock Hudson tem seu melhor papel, interpretando um texano rude e preso às tradições. James Dean faz seu personagem brotar de uma maneira sutil e verdadeira, mesmo que pareça fazer o que sempre fez de melhor nas telas; um rapaz revoltado e desajustado, fora dos padrões da sociedade onde vive. Assim Caminha a Humanidade é um drama épico que inclui um pouco de tudo; drama, romance, conflitos de gerações, regionalismo, conquista, ambição, problemas familiares e preconceito.

Este clássico merece ser visto e apreciado por todos nós, porque embora se trate de uma história que se passe num outro país, numa região abandonada e entregue aos aventureiros migrantes, fala sobre nós e sobre nossas atitudes em relação ao mundo atual. Assim Caminha a Humanidade é um retrato feito na década de 50, mas ainda muito vigente para a nossa alma perdida, numa sociedade conturbada e acelerada. Assim somos nós, caminhando numa terra de lugares inóspito, desértico, desconhecido e que por mais que isto soe desumano, ansiamos por poder, dinheiro e tudo mais!

Sinopse de Assim Caminha a Humanidade:

A história traz Leslie (Elizabeth Taylor) filha de um rico fazendeiro de Maryland no nordeste dos Estados Unidos, que recebe a visita de Bick Benedict (Rock Hudson), para comprar um cavalo premiado. Ambos se apaixonam de imediato, casam-se e rumam em direção ao Texas, para o Rancho Reata. Leslie se vê numa terra hostil e agreste, com pessoas de hábitos rudes e bem diferentes e passa de uma jovem garota de um rico fazendeiro, para uma mulher de fibra e que luta contra o preconceito racista enraizado na região. Dentre os moradores da fazenda no meio do oeste, ela conhece Luz, irmã de Bick, interpretada por Mercedes McCambridge, que é uma mulher rude e solteirona.

Há também um empregado chamado Jett Rink (James Dean), um peão desajustado e rebelde. Pronto; o quarteto principal que compõe a trama cheia de conflitos pessoais, familiares e principalmente de racismo, está armada. O filme também mostra a ambição como combustível para impulsionar o poder e a realização pessoal; vemos isto na trajetória de Jett, que anseia poder e dinheiro, consegue, mas que no fundo e no final percebe que de nada vale, se não tiver o amor correspondido – é que Jett nutre um amor platônico por Leslie.

Por Wilson Roque Basso

Confira outras críticas de filmes no Cinema e Pipoca

Comente via Facebook

Comentários

LEAVE A REPLY

Your email address will not be published. Required fields are marked ( required )

Críticas

Pipocast

Séries

Entrevistas